Pular para o conteúdo principal

Calopsitas podem causar doenças respiratórias em humanos

Data: 
sábado, 26 Março 2016 - 10h00
Português, Brasil

FONTE: NE10

Calopsitas são aves dóceis que encantam com suas penas coloridas e inteligência / Foto: reprodução

Calopsitas são aves dóceis que encantam com suas penas coloridas e inteligência Foto: reprodução

As calopsitas, aves de origem australiana que caíram no gosto do brasileiro, podem trazer problemas de saúde para os humanos. A principal delas é a clamidiose, também chamada de psitacose. A doença é causada por bactérias da espécie Chlamydophila Psittaci e podem levar o animal à morte e o humanos a desenvolver até pneumonia.

No animal, o principal sintoma da infecção pela bactéria é a conjuntivite. Já nos humanos, embora não haja um sinal de alerta, a doença causa, principalmente, disfunções respiratórias. De acordo com o veterinário Jean Carlos Ramos, professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), a transmissão da clamidiose é direta, ou seja, de uma ave infectada para outra saudável.
No animal, o primeiro sintoma da clamidiose é a conjuntivite

Em geral, no animal a contaminação ocorre por meio da aspiração de poeira e penas secas contaminadas por dejetos de aves doentes. Já a transmissão da doença entre os humanos acontece através das vias respiratórias, e a bactéria pode permanecer incubada no corpo do humano infectado por até quatro semanas. 

"O ideal é que, ao adquirir uma calopsita, o dono leve imediatamente o animal para um veterinário realizar uma consulta clínica. Se algo for identificado serão solicitados exames. Se esta recomendação foi seguida, dificilmente o animal ficará doente e passará a bactéria para o humano", ressaltou o veterinário que é especialista em animais silvestres, zoonoses e saúde publica. 
Ainda de acordo com professor Jean Carlos Ramos, o dono da ave deve se policiar para levar o animal ao veterinário pelo menos duas vezes ao ano para consulta de rotina. "Muitas pessoas esquecem que a ave também tem que ser avaliada, de preferência por um especialista em animais silvestres. Não é só o cachorro ou o gato", pontuou o médico. 
Ele alertou ainda que além da clamidiose, o animal pode causar outros males comuns a todas as aves (como periquitos e papagaios) e, por isso, seria necessário evitar uma relação muito íntima com o bichinho. "Tem pessoas que beijam as aves e abraçam. Essa relação muito próxima pode causar problemas de saúde porque elas podem causar desde alergias como doenças mais graves", comentou o veterinário.
No animal, o primeiro sintoma da clamidiose é a conjuntivite Foto: reprodução
Muitas pessoas esquecem que a ave também tem que ser avaliada, de preferência por um especialista em animais silvestres Jean Carlos Ramos, veterinário

Dona das calopsitas Pablo e Jorgete, a funcionária pública Cynthia Mendes, 34 anos, revelou que tem alergia aos animais, mas prefere tomar remédio e continuar com as aves do que não tê-las por perto. "Sempre tive gato e desde que o último morreu, há dois anos, eu ganhei a primeira calopsita de uma amiga. Pensei que não ia me adaptar, mas hoje sou apaixonada por elas. Eua até tinha alergia ao gato antes e agora também tenho às calopsitas, mas tomo remédio e passa", disse Cynthia.

Cynthia tem uma relação muito próxima com as aves Pablo e Jorgete

Cynthia tem uma relação muito próxima com as aves Pablo e Jorgete Foto: cortesia

Ela contou também que nunca levou suas calopsitas ao veterinário, mas fica atenta aos sinais de fisiológicos (secreções e fezes, por exemplo) e comportamentais que os animais apresentam. "Admito que a única vez que uma delas ficou doentinha, liguei para uma amiga que já cria calopsita há muito tempo, segui as orientações dela e deu certo", confessou a funcionária pública. 

Para evitar contaminação por clamidiose ou qualquer outra doença, Cynthia dá banho nas aves com um borrifador de água uma vez por semana e varre as penas que elas soltam. Além disso, ela mantém o ambiente das aves sempre limpo. "Elas passam o dia soltas em casa. Só prendo na gaiola quando vou sair. O resto do tempo elas voam em casa, até porque não corto as asas delas", relatou.
Além dos cuidados com a higiene do animal e do espaço de convivência, é necessário impedir que aves urbanas, como os pombos e pardais, fiquem por perto das calopsitas, pois elas podem ser portadoras do agente causador da clamidiose ou de outros males.

PALAVRAS-CHAVE: