Pular para o conteúdo principal

Omissão leva à morte de árvores na Jaqueira

Data: 
terça-feira, 19 Julho 2016 - 11h45
Português, Brasil

FONTE: FOLHA PE

MPPE quer explicações em 72 horas. Em nota, Emlurb justificou que cortes e poda foram feitos para evitar acidentes

A Emlurb pode responder criminal e civilmente pela poda de três árvores e erradicação de outras duas ontem, no Parque da Jaqueira, Zona Norte do Recife. A Empresa tem 72 horas, a contar desta terça-feira (19), para explicar ao Ministério Público de Pernambuco os motivos que levaram à ação. Garantia de segurança é a principal justificativa da gestão, mas especialistas acreditam em “mortes anunciadas”.

A erradicação, última alternativa para uma árvore, acontece justamente porque não há um trabalho de arboricultura eficaz para os exemplares urbanos, de acordo com a doutora em ciências florestais pela UFRPE Isabelle Meunier. “Há técnicas e conhecimentos que absolutamente não praticamos. O processo de doença, ou mesmo de pragas, é lento. Dura vários anos. O que acontece é que ficamos olhando e, quando se percebe, já é tarde demais”, avaliou.

Para ela, muitas vezes as árvores são cortadas por medo da gestão. “Não há um mapeamento ou monitoramento eficaz. Muito menos há um trabalho preventivo. É fácil dizer que um espécime está condenado, mas quais são os critérios utilizados? Frequento a Jaqueira e vejo que há muita coisa sendo retirada nos últimos três meses. Muitas sem motivo além do medo de que ela caia e machuque alguém.O problema é que esse medo existe porque não há conhecimento sobre elas. Não há pesquisas sobre fitopatologia, identificação das várias doenças e pragas presentes na nossa Cidade, medidas profiláticas. Não se sabe mesmo quais os tipos de cupins presentes nas árvores urbanas da Cidade”, criticou.

O promotor de Justiça do Meio Ambiente do Recife, Ricardo Coelho, concorda com a especialista. “Pessoalmente, me pareceu um exagero o que aconteceu no Parque ontem. Visitamos o local após uma denúncia e vimos o que estava acontecendo. A Emlurb é responsável pelo Parque e ao mesmo tempo pelas erradicações. Por isso a estamos notificando para explicar o que aconteceu. São três dias a partir de agora para emitir uma reposta satisfatória”, explicou o promotor.

Por meio de nota, a Emlurb informou que o trabalho faz parte de uma programação especial de manutenção de árvores localizadas em praças e parques da Cidade. As podas e erradicações visam o período de chuvas, em que elas são mais suscetíveis às quedas. Afirmou ainda que cada erradicação, alternativa utilizada apenas na impossibilidade de tratamento, acarreta no replantio de duas novas árvores.