Pular para o conteúdo principal

PE: poluição prolifera vetor do zika

Data: 
sexta-feira, 22 Julho 2016 - 12h15
Português, Brasil

FONTE: FOLHA DE PERNAMBUCO

A descoberta de que as muriçocas transmitem zika revelou um Pernambuco vulnerável à arbovirose. Realizada e divulgada ontem pela Fiocruz, a pesquisa encontrou no Recife e em Arcoverde, no Sertão, pernilongos do gênero Culex contaminados com o vírus. Na RMR, há 20 vezes mais esse tipo de mosquito que o Aedes aegypti. Em janeiro, a Folha de Pernambuco antecipou que a Fiocruz pesquisava a possível transmissão, tentando decifrar porque o patógeno se alastrava tão rapidamente. Pernambuco, considerado por especialistas como um potencial criadouro dos pernilongos, pode ter sido o estado mais afetado pela microcefalia por seus saneamentos básico e ambiental deficientes.

“Há estudos que mostram que o Nordeste tem um déficit de saneamento quanto aos resíduos sólidos. É nessa região que há os maiores lixões. Eles são 96%dos nossos aterros. Isso faz com que estejamos criando o Culex no nosso território”, avaliou a professora de gestão ambiental da UFRPE, Soraya El-Deir. “A falta de saneamento ambiental contribui negativamente para o cenário. Apenas 15%do esgoto de Pernambuco é tratado. O restante está sendo despejado innaturanos rios e corpos d’água. Mantendo, assim, o ambiente suscetível à criação do vetor da zika.”

Para Soraya, é possível ainda relacionar o eficiente saneamento ambiental no Sul do Brasil com o baixo índice de casos de microcefalia nos três estados que compõem a região. “Isso implica dizer que é um equívoco colocar no cidadão a obrigação de combater o mosquito. O saneamento é negligenciado pelo poder público”, criticou. Na Capital, 65% dos moradores não contam com rede de esgoto. Seis cidades do Estado estão entre as 100 do Brasil que menos investem na área.

Pesquisa

Quinhentos mosquitos coletados na RMR, com base nos endereços de casos relatados de zika, foram estudados pelos pesquisadores da Fiocruz. “O Culex transmite vírus filogeneticamente semelhantes ao zika, como a do Oeste do Nilo e a encefalite japonesa. Achamos que ele poderia ser um vetor”, explicou a coordenadora do estudo, Constância Ayres. Ainda não se sabe se a dengue ou a chikungunya pode ser transmitida pelo pernilongo. A prioridade ao zika está relacionada à sua ligação com a epidemia de microcefalia. Cada mosquito foi dissecado para a extração do intestino e da glândula salivar, tecidos que representam barreiras ao desenvolvimento do vírus. O procedimento se dá de maneira que, se a espécie não é vetor, em determinado momento o desenvolvimento do vírus é bloqueado pelo mosquito. No entanto, se a espécie é vetor, a replicação do vírus acontece. É o caso dos Culex.

Folha de Pernambuco