Pular para o conteúdo principal

Soluções urbanas na palma da mão

Data: 
sábado, 28 Maio 2016 - 12h00
Português, Brasil
FONTE: DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Grupo terá que desenvolver aplicativos que tornem a vida nas cidades mais simples e confortável. Os vencedores serão premiados em até R$ 2 mil

Um grupo de aproximadamente 50 desenvolvedores, designers, sociólogos, comunicadores e administradores passará 24 horas reunido para criar soluções tecnológicas de impacto no cotidiano urbano. A maratona de programação com dados abertos governamentais acontece desde ontem com o objetivo de criar aplicativos ou programas para computadores que sejam úteis aos cidadãos. Informações dos bancos de dados das prefeituras do Recife e de Olinda e do Grande Recife Consórcio de Transportes estão sendo usadas e podem ser transformadas em apps voltados às áreas de saúde, educação, segurança ou mobilidade urbana.

Divididos em 10 grupos de cinco pessoas, os participantes precisam entregar um protótipo de aplicativo de utilidade pública. A competição internacional Hackacity vai premiar o melhor trabalho com R$ 2 mil. O segundo colocado ganhará R$ 1 mil. O terceiro, R$ 500. Os valores foram doados pelo Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar). O evento acontece até a tarde de hoje simultaneamente nas cidades do Porto (Portugal), Amersfoort e Utrecht (Holanda) e Santander (Espanha). No Recife, os desenvolvedores e criativos se reuniram na sede da Jump Brasil, no bairro de Santo Amaro.
O aplicativo Vai Chover! Recife, que usa dados oficiais da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) para enviar alertas sobre o tempo e temperatura na capital pernambucana, foi apresentado como exemplo aos participantes do Hackacity. “As equipes precisam desenvolver soluções baseadas em plataformas de código aberto, ajudando a solucionar os desafios enfrentados pelos cidadãos, a partir de dados abertos fornecidos pelos órgãos de gestão”, explicou o vice-presidente de Empreendedorismo e Inovação da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas (RBCIH), Cláudio Nascimento.
Estudantes das universidades Federal de Pernambuco (UFPE), Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Católica de Pernambuco (Unicap) e de Pernambuco (UPE) se misturaram para apresentar os projetos. “Já participo de hackathons (maratona de programação na qual hackers se reúnem por horas) na Campus Party e gosto de desafios. Se for para ajudar a cidade, melhor ainda”, disse o estudante de ciências da computação Lucas Silva, 23.
Os resultados do evento serão acompanhados pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Empreendedorismo do Recife. “Temos interesse em observar porque estão, aqui, pessoas de várias áreas. O resultado desta maratona pode ser a criação de um novo negócio. Viemos deixar claro nosso apoio no que for necessário”, disse a secretária de Desenvolvimento e Empreendedorismo do Recife, Berenice Andrade.
Criada na cidade do Porto, em Portugal, a maratona Hackacity convida desenvolvedores a criar aplicativos e soluções inovadoras para melhorar a vida dos cidadãos das cidades onde acontece, utilizando dados fornecidos pela gestão municipal e promovendo o conhecimento através das trocas de experiências.