JavaScript não suportado

 

Universidade pública importa

Diante dos cortes de cerca de 20% no orçamento das universidades e institutos federais brasileiros, que já vêm sofrendo restrições orçamentárias desde 2019, as instituições se encontram em situação de desmonte e comprometimento grave de suas atividades. A fim de  lutar pela manutenção de bolsas de assistência dos estudantes em vulnerabilidade, empregos de pessoas terceirizadas e a mínima estrutura acadêmica, a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) lança a campanha Universidade importa, educação transforma.

A ideia é envolver a sociedade, instituições e demais atores sociais em defesa da educação pública, gratuita, de qualidade e inclusiva, tendo em vista que algumas medidas ainda podem ser tomadas para minimizar os impactos da decisão governamental. A campanha já ganha as mídias sociais nesta quinta-feira (13/05), mas a culminância do lançamento, com a disponibilização ampla de materiais informativos, ocorrerá no próximo dia 20/05, em assembleia geral virtual da UFRPE, que unirá docentes, estudantes, técnicos-administrativo(a)s, gestore(a)s, representantes de movimentos sindicais e estudantis.

card com o reitor da ufrpe defendendo a educação e a ciência

Além de postagens nas mídias sociais da Instituição, a UFRPE disponibilizará o material para outras Instituições Federais de Ensino Superior e demais entidades que queiram utilizar, a fim de fortalecer o movimento nacional de resistência ao desmonte da educação superior e técnica federal, responsável por grande parte das iniciativas de ciência e tecnologia nacionais, bem como referenciadas internacionalmente em ensino, pesquisa e extensão.  

No caso da UFRPE, além do corte de 20% a partir da Lei Orçamentária Anual (LOA), há bloqueio de 13,8%, a partir de decreto do dia 22 de abril.  Essas severas restrições deixam a Instituição sem praticamente 1 real para investimentos, ou seja, compra de equipamentos básicos ou reformas e obras. As medidas do Governo Federal impactam diretamente na assistência a estudantes que precisam de apoio financeiro básico – como transporte ou alimentação – para concluírem seus cursos, além daqueles que desenvolvem projetos de iniciação científica.

Serviços de extensão, que são ofertados diretamente à população também serão diretamente afetados, a exemplo do atendimento a animais da Região Metropolitana do Recife, por meio do Hospital Veterinário Escola, no Campus Dois Irmãos, e a assistência a produtores rurais no interior do Estado.

A demissão de pessoas de empresas terceirizadas, que realizam serviços como limpeza, tratamento e alimentação de animais, entre outras funções, será uma das questões impostas pelos cortes, uma vez que o orçamento das universidades já vem sendo comprometido desde 2019, de maneira cada vez mais forte. Na UFRPE, em todos os campi, são mais de 600 funcionários dessa categoria, que desenvolvem trabalho indispensável no desenvolvimento das atividades acadêmicas e administrativas.

Pesquisas de grande relevância para a sociedade também poderão ser interrompidas parcial ou totalmente, uma vez que seu desenvolvimento necessita de investimentos no que se refere a equipamentos, insumos, materiais e reparos/reformas nas instalações.

UFRPE

A UFRPE possui 108 anos de tradição em ensino, extensão e pesquisa no Estado e no país. Sua história secular é marcada, ao mesmo tempo, pela capacidade de inovação ao buscar contribuir com a superação dos problemas socioambientais e o desenvolvimento sustentável em projetos e pesquisas que envolvem as ciências tecnológicas, agrárias, humanas, sociais e exatas. Cada vez mais voltada à inovação e às demandas contemporâneas da sociedade, a UFRPE mantém as raízes na terra, com os galhos apontados para o futuro.

Inaugurada com os cursos de Medicina Veterinária e Agronomia, o novo perfil da Instituição abrange 55 cursos de graduação, incluindo Administração, Economia, Educação Física, Gastronomia, Sistemas de Informação, Ciência da Computação e diversas Engenharias, no campus do Recife e nas Unidades Acadêmicas de Belo Jardim (UABJ), de Serra Talhada (UAST) e do Cabo de Santo Agostinho (UACSA), além de Educação a Distância e Tecnologia (UAEADTec). Além de bacharelados, licenciaturas e tecnológicos, possui cursos técnicos e Ensino Médio no Colégio Agrícola Dom Agostinho Ikas (Codai UFRPE).

Desde a fundação da Escola Superior de Agricultura, em 1912, até hoje, a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) tem alcançado ótimos resultados. Composta por mais de 1200 professores, mais de mil técnicos e cerca de 15 mil estudantes, a UFRPE possui ainda estações avançadas de pesquisa, ou seja, campi situados no Litoral, na Zona da Mata, no Agreste e no Sertão de Pernambuco. São elas: Estação Ecológica do Tapacurá, em São Lourenço da Mata; Estação Experimental de Cana-de-Açúcar (EECAC) e Estação Experimental de Pequenos Animais (EEPAC), em Carpina; Clínica de Bovinos de Garanhuns (CBG); Estação de Agricultura Irrigada (EAII), em Ibimirim; e Estação de Agricultura Irrigada (EAIP), em Parnamirim.

São cerca de 4 mil vagas nos cursos de graduação disponibilizadas anualmente. A seleção é feita por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), com o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), mas o estudante também pode ingressar como portador de diploma e outros procedimentos.

Na pós-graduação, destaca-se na produção de pesquisa com 58 mestrados e doutorados. Por meio dos programas internos e de parcerias com órgãos de fomento à produção científica e instituições locais e internacionais, as pesquisas realizadas pela UFRPE contemplam diversas áreas do conhecimento, desde as ciências da terra e meio ambiente até estudos ligados a educação, saúde, computação, tecnologias e ciências humanas. Por meio de programas de incentivo e apoio, a UFRPE também busca contribuir para a formação e inserção de estudantes em atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico, empreendedorismo e inovação, envolvendo a promoção da cultura de inovação e transferência de tecnologia e a proteção e licenciamento do produto de pesquisa.

A UFRPE dialoga com os diversos segmentos da sociedade, oferecendo serviços, cursos de gestão e capacitação, assistência técnica, parcerias político-pedagógicas, entre outras iniciativas voltadas à superação das desigualdades sociais e à preservação do meio ambiente. Entre os programas de extensão, estão a premiada Escola de Conselhos, que oferece formação para conselheiros tutelares; a Escola de Música, para crianças das comunidades vizinhas; o Programa de Atenção Integral à Saúde dos Idosos, entre outros. Também se destacam projetos de popularização da ciência através da astronomia/física, de educação nutricional, natação e cidadania para crianças.

Imagem: