Pular para o conteúdo principal

A trajetória política e intelectual de Josué de Castro é tema de trabalho acadêmico.

Data: 
quinta-feira, 24 Novembro 2016 - 11h15
Português, Brasil

FONTE: BLOG ACERVO DO CASTANHA

O historiador Helder Remigio vai fazer a defesa de sua tese de doutorado “Um pequeno pedaço do incomensurável” nesta sexta-feira, 25/11, na sala 31 do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) da UFPE. Começa às 14h.

(Um texto do jornalista EVALDO COSTA)

josue-de-castroProfessor de História do Brasil na UFPE, Mestre em História Social da Cultura pela UFRPE e Licenciado em História – UFRPE, Helder Remigio focou suas pesquisas nas relações entre fome, cidadania, biografia, cultura e poder. O trabalho foi realizado sob a orientação da professora Regina Beatriz Guimarães Neto.

BANCA  – Alguns dos mais destacados acadêmicos pernambucanos fazem parte da banca, entre eles Antonio Jorge Siqueira, Antônio Torres Montenegro, Pablo de Andrade Porfírio e Silvia Couceiro. Médico, professor e militante político, Josue de Castro nasceu no Recife em 1908 e morreu exilado na França, em 1973, depois de ser perseguido pela ditadura militar brasileira. Foi deputado federal pelo PTB de Pernambuco.

JOSUE DE CASTRO

Foi professor na prestigiada Sorbone. Recebeu da Academia de Ciências Políticas dos Estados Unidos o Prêmio Franklin D. Roosevelt. O Conselho Mundial da Paz lhe ofereceu o Prêmio Internacional da Paz e o governo francês o condecorou como Oficial da Legião de Honra.

Foi ainda indicado ao Nobel da Paz nos anos de 1953, 1963, 1964 e 1965. Nos anos 50, Josué de Castro era mais famoso internacionalmente do que qualquer estrela do cinema ou dos esportes. Foi presidente do Conselho Executivo da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Embaixador brasileiro junto à Organização das Nações Unidas (ONU).

Publicou, em 1946, seu livro mais conhecido, “Geografia da Fome”, no qual afirmou que a fome não era um problema natural, ou seja, no tinha como causas fatos da natureza, como secas ou enchentes, mas, ao contrário, era fruto de ações dos homens, de suas opções, da condução econômica que davam a seus países